Alaíde Damo nega reajuste salarial a servidores públicos de Mauá; categoria pode entrar em greve na próxima semana

O governo da prefeita interina de Mauá, Alaíde Damo, vai priorizar o pagamento a empresários ao invés de valorizar os servidores públicos que mantém os serviços à população em pleno funcionamento. O anúncio foi transmitido pelo sobrinho da prefeita e secretário de Governo, Antônio Carlos de Lima, em reunião com o Sindicato dos Servidores Públicos (Sindserv), nesta terça-feira (17), no Paço. A entidade vai convocar os trabalhadores para assembleia e uma greve pode ser anunciada na próxima quarta-feira (25).

20180717-reuniao-negociacao-campanha-salarial-sindservmaua-foto-por-lucas-miranda-005 - 1125x1500

Governo Alaíde Damo utilizou o decreto que declara calamidade financeira para negar a revisão salarial aos servidores públicos de Mauá. (Foto: Lucas Miranda/Sindserv Mauá)

O governo municipal anunciou, na reunião, que não concederá reajuste aos servidores públicos em razão do decreto, que declara a calamidade, e da situação caótica nas finanças e que gostaria de retomar a negociação após o prazo de 120 dias determinado pelo documento, mas não apresentou garantias para a concessão da revisão.

As negociações entre Prefeitura e Sindicato iniciaram em março e se arrastaram até a última terça-feira (17). Neste período diversos obstáculos atrapalharam uma conclusão amigável, como o decreto que escalonava por jornada o abono conquistado na campanha salarial do ano passado, a prisão do prefeito Atila Jacomussi e o decreto que declara calamidade financeira.

Na avaliação do presidente do Sindserv, Jesomar Alves Lobo, o Sindicato agiu corretamente ao conceder todas as possibilidades de negociação e explorar ao máximo o diálogo e a busca por entendimento. “Fizemos tudo que tínhamos de fazer, não há arrependimentos nesse sentido, negociamos de boa fé e mantivemos abertos os canais de diálogo, mas esse decreto de calamidade [financeira] criou uma conveniente bolha de proteção em que permite ao governo fazer o que bem entender com as contas públicas”, analisou. “Inclusive privilegiar o pagamento de empresas amigas, como a Lara e a Fundação ABC ao invés de conceder um reajuste salarial que minimamente recupere as perdas no poder aquisitivo, corroído pela inflação, pela absurda taxa do lixo e pelo excessivo aumento no convênio médico dos servidores”, desabafou.

Os dirigentes sindicais vão apresentar propostas de paralisação da categoria e a possibilidade de deflagrar o estado de greve, nos moldes da legislação vigente. Se o funcionalismo aderir à proposta de greve, pode haver paralisação em serviços essenciais como segurança pública, saúde, educação, defesa civil, entre outros.

O Sindserv vai levar um carro de som ao Paço Municipal, hoje (18), às 15h, para convocar os servidores para uma assembleia, agendada para a próxima quarta-feira (25), às 18h. Além da manifestação, a entidade protocolará um ofício junto à Prefeitura para manter aberta a possibilidade de se chegar a um acordo antes da assembleia.

 

Um comentário sobre “Alaíde Damo nega reajuste salarial a servidores públicos de Mauá; categoria pode entrar em greve na próxima semana

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.